Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

Conselho Nacional de Procuradores-Gerais - CNPG

Menu
<

A campanha nacional contra a violência doméstica e familiar do Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG) continua durante a virada do ano e o início de janeiro. Coordenada pela Comissão Permanente de Combate à Violência Doméstica (COPEVID), do Grupo Nacional de Direitos Humanos (GNDH), do CNPG, a campanha foi lançada em outubro e contou com forte divulgação nos MPEs. Em três Estados a campanha ainda está em andamento.

 Um vídeo em que a mulher é simbolizada pela flor margarida é o carro-chefe da campanha. A iniciativa partiu do Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), que disponibilizou o material para divulgação. A vinheta televisiva pretende mostrar a gravidade que envolve a questão da violência doméstica. Incentiva ainda as pessoas a procurarem a Promotoria mais próxima em suas cidades ou denunciarem este tipo de agressão na Central de Atendimento à Mulher.

 “Este é um dos temas que merecem atenção e ações permanentes”, destacou o Presidente do CNPG, Cláudio Lopes.

"Em nossas pesquisas, ficou demonstrado que a violência doméstica contra a mulher é muito mais presente do que se imagina no cotidiano da sociedade”, observou o Vice-Presidente do CNPG para a Região Sudeste, Procurador-Geral de Justiça do Ministério Público do Espírito Santo, Fernando Zardini. Ele explicou que, a partir desta constatação – e da provocação da COPEVID, por meio da promotora de Justiça Sueli Lima e Silva –, “entendemos ser fundamental enfrentarmos o problema”. A campanha veio a atender esses anseios, estruturada em projeto da Promotoria de Justiça da Mulher. A exibição da vinheta Margarida no Espírito Santo tem dado resultados práticos, com o aumento nas denúncias, e, principalmente, tem ajudado na mudança de comportamento, pois educa e mostra que as mulheres devem fazer valer os seus direitos.

 Idealizadora da campanha, a Promotora de Justiça Sueli Lima e Silva (MPES) explicou que a ideia é “mostrar que elas (mulheres) estão amparadas pelos MPs de todo o Brasil e que não devem desistir do processo”. Dados apontam que uma em cada três mulheres no mundo sofreu algum tipo de violência doméstica e em 95% dos casos registrados são reincidentes. Além do vídeo, foi criada uma cartilha.

 O vídeo da campanha contra a violência doméstica e familiar foi divulgado nas seguintes mídias televisivas:

•          3 TVs de Assembleias Legislativas (ES, MS, RS)

•          TV Ativa (filiada da TV Gazeta, RR)

•          TV Band (SP)

•          TV Caburai (afiliada da TV Record, RR)

•          TV Capixaba (afiliada da TV Band, ES)

•          TV Cidade (afiliada da Rede TV, RR)

•          TV Educativa (ES)

•          TV Gazeta (afiliada da TV Globo, ES)

•          TV Justiça (RS)

•          TV MPMS (TV Band, MS)

•          TV Record (RJ)

•          TV Rondônia (afiliada da TV Globo)

•          TV Roraima (afiliada da TV Globo)

•          TV Universitária (MS)

•          TV Tropical (afiliada do SBT, RR)

•          TV Tribuna (afiliada do SBT, ES)

•          TV Vitória (afiliada da TV Record, ES)

 

A campanha também foi veiculada na imprensa escrita, rádios, sites e portais (internet e intranet) dos MPEs e veículos on-line.

Denúncias que envolvem a violência doméstica podem ser feitas pela Central de Atendimento à Mulher – Disque 180, da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM). O serviço funciona 24 horas por dia, de segunda a domingo, inclusive feriados. A ligação é gratuita.

Assista aqui ao vídeo contra a violência doméstica

 



Fonte: MPRJ

 

.: voltar :.