Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

Conselho Nacional de Procuradores-Gerais - CNPG

Menu
<

 

Após apurar a existência de registros imobiliários rurais falsos dentro do Município de Riachinho, o Ministério Público Estadual (MPE) ajuizou denúncia contra Flávio Ferreira Lima Marchevsky ex-servidor público e oficial substituto do Cartorio de Registro de Imóveis (CRI) em Riachinho.

 

 

 

Na denúncia, o Promotor de Justiça, Celsimar Custódio aponta que, entre os anos de 2009 e 2015, Flávio Marchevsky, teria realizado registros públicos de imóveis rurais inexistentes na cidade. Os registros imobiliários das fazendas Olho D’àgua, Belo Horizonte, Cedrarana, Santa Clara, Primavera e Porteira I referem-se a outros imóveis originalmente registrados no CRI do municipio.

 

 

 

Também foi destacado no documento, que durante correição ordinária realizada na Comarca de Ananás, em Junho de 2015, realizou-se inspeção correicional em todos os Cartórios extrajudiciais das cidades que integram a Comarca e constatou-se inúmeras irregularidades. O resultado foi a instauração de um Procedimento Administrativo Disciplinar e posterior afastamento do denunciado da direção do CRI de Riachinho. No entanto, conforme documentos adicionados à denúncia, o indiciado continuou exercendo a função.

 

 

 

Conforme a Promotoria, Flávio Marchevsky foi ouvido e negou que tenha realizado alguma fraude, dando versão totalmente discrepante dos fatos e documentos colacionados no bojo da investigação.

 

 

 

O Promotor de Justiça ajuizou então a denúncia requerendo que o denunciado seja condenado por falsidade ideológica, por falsos registros de imóveis rurais em Riachinho e por apropriar-se, enquanto funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio.

 

 

 

Marchevsky agora deve ser citado para oferecer resposta por escrito, caso queira, prosseguindo-se nos demais atos processuais e ouvindo-se as testemunhas citadas no documento. A Promotoria ainda deve instaurar inquérito civil para anular as falsas escrituras públicas dos imóveis rurais.

 

 

 

Ministério Público do Estado do Tocantins

Assessoria de Comunicação

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

63-3216-7515

63-3216-7532

.: voltar :.