Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

Conselho Nacional de Procuradores-Gerais - CNPG

Menu
<

WebmailFaceBook do CNPGTwitter do CNPGRSS

<<  <  Dezembro 2018  >  >>
 Seg  Ter  Qua  Qui  Sex  Sáb  Dom 
       1  2
  3  4  5  6  7  8  9
10111213141516
171920212223
24252627282930
31      

A partir de uma casa de prostituição em Apiúna, grupo distribuía drogas em Rio do Sul, Ibirama, Presidente Getúlio, Lontras e Taió.

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) apresentou à Justiça denúncia criminal contra um grupo formado por 11 pessoas que distribuíam drogas - especialmente maconha, cocaína, crack e ecstasy - em seis municípios do Alto vale do Itajaí, bem como contra outras 3 pessoas que auxiliaram o grupo esporadicamente no comércio de drogas. O grupo era comandado por Djonatan Blazius, o qual tinha contato direto com uma facção criminosa que age em todo o Estado.

A investigação, que resultou no desbaratamento do grupo criminoso, foi realizada pela 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Ibirama, em conjunto com a Polícia Militar do Estado de Santa Catarina (13º BPM - Rio do Sul/SC), e culminou com o cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão requeridos pelo Ministério Público e efetivados pela Polícia Militar na operação "Sob Nova Direção", realizada no dia 8 de novembro deste ano.

As investigações demonstraram que Djonatan Blazius e sua companheira, Isabele Cristina do Nascimento Pereira Dias, comandavam o tráfico a partir da boate e casa de prostituição da qual são proprietários em Apiúna. A boate foi gerenciada, em momentos distintos, por Aline Barbosa do Nascimento, Tatiana Aparecida Ancini (irmã de Djonatan) e Pedro Blazius (pai de Djonatan). Eram os três que, a mando dos proprietários, coordenavam o tráfico no local.

Também tinham posição importante na associação para o tráfico as pessoas de Carmelinda Maria Ancini (mãe de Djonatan Blazius), Isadir Blazius (tia de Djonatan) e Eder Wendel Schattenberg. A primeira e a segunda auxiliavam a estocagem de drogas para o grupo em Penha, no litoral catarinense, enquanto o segundo, além de informar aos superiores as movimentações de usuários de drogas e da polícia, era o responsável pelo transporte das drogas de Penha a Apiúna, bem como o mapeamento de novos pontos para exploração do tráfico.

De Penha, a droga era ainda trazida até Apiúna por Pedro Douglas de Souza. Além da boate, era levada também para a casa de Maiara Débora Possamai e Djeferson Blazius (irmão de Djonatan Blazius), em Ibirama. Todo o grupo fazia a venda direta aos usuários, atividade que contava com apoio, ainda que esporádico, de Jefferson Peixe, Samara da Silva e de Brain Krüger.

A denúncia foi ajuizada na sexta-feira (30/11) e recebida pelo Poder Judiciário nesta segunda-feira (03/12), o que torna os denunciados réus em ação penal, na qual terão amplo direito à defesa (Ação n. 0900050-47.2018.8.24.0027).




Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social do MPSC

.: voltar :.