Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

Conselho Nacional de Procuradores-Gerais - CNPG

Menu
<

WebmailFaceBook do CNPGTwitter do CNPGRSS

<<  <  Dezembro 2018  >  >>
 Seg  Ter  Qua  Qui  Sex  Sáb  Dom 
       1  2
  3  4  5  6  7  8  9
10111213141516
171920212223
24252627282930
31      

Pena de nove anos de prisão foi aplicada por tentativa de homicídio, ameaça à esposa, posse ilegal de acessório relacionado à arma de fogo e resistência à prisão.

Um idoso de 67 anos, denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) por uma série de crimes praticados em sequência à ameaça à esposa, entre eles a tentativa de homicídio dos policiais que atenderam à ocorrência, foi condenado a nove anos de prisão em sessão do Tribunal do Júri da Comarca de Xaxim.

Na denúncia, o Promotor de Justiça Diego Roberto Barbiero relata que Francisco Januário Fin, na noite de 15 de janeiro de 2018, após discutir com a esposa, Gentilina Maculan Fin, intimidou a vítima com o dizer "vamos resolver isso agora" e dirigiu-se a um cômodo da casa onde ela sabia haver uma arma. Diante da ameaça, a esposa fugiu para a residência do vizinho e chamou a Polícia Militar.

Ao atender à ocorrência, após os inícios dos diálogos para que Francisco saísse da casa e se apresentasse, o réu impediu a entrada dos policiais na residência. Com mais alguns minutos de tentativa de diálogo, Francisco abriu parcialmente a porta e desferiu pelo menos três tiros em direção aos policiais - sem que causasse ferimentos por motivos alheios à sua vontade, mas assumindo o risco de matar os agentes públicos.

Somente depois de cinco horas de negociações envolvendo a PM de Xaxim, o PPT de Xanxerê e de Chapecó e já com o início do deslocamento, por terra, do BOPE da Capital, o réu finalmente se entregou à polícia. Na ocasião, foi apreendida a arma de fogo utilizada no crime - um revólver calibre 32, 3 cápsulas de projéteis deflagrados e duas lunetas de mira telescópicas, uma delas classificadas como de uso restrito das forças armadas.

Na sexta-feira (30/11), Francisco foi julgado pelo Tribunal do Júri da Comarca de Xaxim e, conforme a denúncia apresentada pelo MPSC, condenado pelos crimes de homicídio qualificado tentado, resistência, posse de acessório de uso restrito e ameaça, este último agravado por ter sido praticado contra cônjuge, contra mulher e contra pessoa idosa - a esposa tinha 62 anos.

O júri iniciou às 9h e se prolongou até próximo às 23h, quando foi publicada a sentença em plenário. A pena aplicada pelo Poder Judiciário foi de nove anos de reclusão e três meses e 15 dias de detenção, em regime fechado.

Embora o réu estivesse respondendo ao processo em liberdade, o Ministério Público postulou a aplicação do recente entendimento do Supremo Tribunal Federal que autoriza a prisão após sentença do Tribunal do Júri, com o início imediato da Execução provisória da pena, pedido que foi acatado pelo Juízo.  

 O Júri foi presidido pela Juíza de Direito Vanessa Bonetti Haupenthal. A tribuna do Ministério Público foi ocupada pelo Promotor de Justiça Diego Roberto Barbiero. Na defesa do réu atuaram os advogados Claudiomiro Ântonio Moreira, Marlei Ângela Ribeiro dos Santos e Valmar Rebelatto. A sentença é passível de recurso. (Ação n. 0000022-39.2018.8.24.0081)




Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social do MPSC

.: voltar :.