Seu navegador nao suporta javascript, mas isso nao afetara sua navegacao nesta pagina

Conselho Nacional de Procuradores-Gerais - CNPG

Menu
<

Brasil goleia e massacra PEC 37 pelo placar de 430 x 9!

Realmente o futebol exerce um fascínio sobre os brasileiros. Somos apaixonados por este esporte que nos brinda com momentos de êxtase, que mesmo na derrota não abala nossa convicção de torcedor fiel e que na vitória faz transbordar a alegria da “pátria de chuteiras”.

Mas existe um sentimento maior, que transcende à paixão acalorada e explícita pelo futebol. Este sentimento está enraizado em nossos corações e aflora em ocasiões especiais, trata-se do nosso AMOR INCONDICIONAL PELO BRASIL.

O primeiro jogo da “Copa das Manifestações” aconteceu ontem à noite, na Câmara dos Deputados, Congresso Nacional. Contrariando o favoritismo que há algumas semanas dava como certa a vitória da PEC 37, o que vimos ontem foi uma virada histórica, daquelas de encher o coração de esperança, devido principalmente ao mais importante jogador da nação: O POVO BRASILEIRO!

A audiência foi altíssima e as galerias do Plenário estavam lotadas, mas, apesar do placar, uma verdade há que ser dita, não há instituição vencida ou vencedora, pois a vitória de fato foi da sociedade, que anseia continuar vendo o Ministério Público e a Polícia Judiciária irmanados principalmente na luta contra a corrupção e a impunidade.

Não podemos deixar de destacar a importante colaboração do técnico. Felipe Scolari? Não, quase isso, na verdade trata-se da ESCOLARIDADEque permitiu a centenas de milhares de brasileiros ter o discernimento necessário para perceber o distanciamento entre boa parte da classe política e a sociedade, que incrédula e já impaciente acompanhava uma inquestionável crise de representatividade em praticamente todas as esferas dos poderes executivo e legislativo.

Só que apareceu uma pedra no meio do caminho daqueles poucos que se achavam donos da Nação e do dinheiro público, e eles tropeçaram nos R$ 0,20 (vinte centavos). Atordoados e atônitos, viram os clamores das massas em faixas e cartolinas, ouviram em alto e bom som os gritos de uma população constantemente violentada pela ineficiência estatal.

Tenho visto textos de alguns blogueiros e colunistas tendenciosos, poucos, é verdade, que tentam maximizar os equívocos de uma clara minoria infiltrada na multidão de manifestantes. Afronta o intelecto mediano a tentativa de induzir leitores a ver essa grande mobilização nacional como um movimento de extrema direita, composta por neonazistas, fascistas ou golpistas (acreditem, já li textos nesse sentido).

As imagens mostram que a imensa maioria dos manifestantes é composta por estudantes, trabalhadores, idosos e até crianças. São famílias, homens e mulheres de bem que não suportam mais o desperdício do dinheiro público e cansaram da corrupção (ativa e passiva) impregnada na política atual. As movimentações são extremamente legítimas e partem da coletividade, não são de direita ou de esquerda. Chega de rotular, basta dessa dicotomia!

De qualquer forma, o “gigante pela própria natureza” ergueu-se e segue vigorosamente, a passos largos, seu novo caminho.

Por Rodrigo Stephanini

Promotor de Justiça e Secretário-Geral do Ministério Público de Mato Grosso do Sul

 

 

.: voltar :.